• Projeto Traduções LIVRES

Aqui está o que fazer se você é trans e precisa ir ao pronto-socorro

Prepare-se, prepare-se, prepare-se.

Link: http://www.newnownext.com/transgender-er-prep-coronavirus/03/2020/

Veículo: Newnownext.com

Data de publicação: 18/03/2020

Autorx: Kate Sosin

Título original: Here’s What to Do if You’re Trans and Need to Go to the ER

Prepare, prepare, prepare.

Traduzido por/Translated by: Hannah Hebron

À medida que o coronavírus varre o país, é provável que muitas pessoas trans se deparem com uma escolha excruciante: ir a um hospital onde potencialmente enfrentará discriminação ou endurecer-se e enfrentar a doença em casa.


Uma em cada três pessoas trans enfrentou discriminação em um prestador de cuidados de saúde em apenas um ano, de acordo com a Pesquisa de Transgêneros dos EUA de 2015, e 23% evitaram consultar um médico porque temiam ser maltratados.


Na semana passada, o Centro Nacional para a Igualdade entre Transgêneros publicou uma lista de itens que as pessoas trans devem manter à mão, bem como recursos para passar pela pandemia em quarentena.


O advento do coronavírus poderá deixar muitas pessoas trans, não-binárias e intersexuais sem escolha quando se trata de procurar assistência médica nos próximos meses. Especialistas em saúde trans dizem que há várias coisas que pessoas de diferentes gêneros podem fazer para aliviar o estresse de entrar em sistemas de saúde desconhecidos durante a crise.


O Dr. Nick Gorton, médico trans intensivista e médico de cuidados primários nos Serviços de Saúde Lyon-Martin em San Francisco, diz que mesmo ele, como uma pessoa trans, tem reservas quanto a ir ao pronto-socorro.


"Sempre será assustador quando você encontrar um profissional de saúde que você não sabe se está ok [com o fato de você ser trans]", ele diz ao NewNowNext. "Fui [ao hospital] para atendimento de emergência ou vi um novo prestador de cuidados primários e fiquei tipo, espero que eles aceitem isso".


Gorton geralmente aconselha as pessoas trans a considerarem levar um aliado para o pronto-socorro ou médico. Em uma pandemia, quando todos são forçados a entrar em quarentena, isso não é possível.


Dallas Ducar, líder clínico dos serviços de saúde mental no Programa de Saúde Transgênero do Hospital Geral de Massachusetts, recomenda que as pessoas trans tenham certeza de que, se precisarem ir ao hospital, tragam um carregador de telefone.


"Ou traga uma maneira de realmente se conectar com as pessoas, se você não conseguir ter alguém com você", diz Ducar ao NewNowNext.


Gorton acrescenta que esses aliados ainda podem estar presentes via telefone quando você precisa conversar com médicos ou enfermeiros.


"Coloque-os no telefone", diz Gorton. "Informe o médico ou a enfermeira: 'Ei, esse é meu amigo Joe, eles são um defensor para mim. Eu só quero eles no telefone para que eles possam ouvir as coisas. Eles sabem sobre a minha medicação. "


Pandemia à parte, um hospital já pode ser uma experiência alienante para pessoas trans.


"Ir ao pronto-socorro é uma experiência muito mais alienante [durante a pandemia], e se não acabarmos fazendo algo, acabaremos como a Itália, onde são literalmente pacientes de parede a parede", diz Gorton. "Traga algo com você que ajude a afastar a preocupação - para a maioria das pessoas, esse algo é o celular".


Ducar e Gorton também aconselham que as pessoas trans compilem o máximo de documentação médica possível, caso precisem ir ao médico ou hospital. Isso significa uma lista detalhada de prescrições, histórico médico, informações de contato do médico e quaisquer registros de cirurgias. Ter essas informações em mãos aliviará o estresse e agilizará os check-ins, aliviando a tensão no sistema médico.


Helen Webberley, especialista em saúde trans e fundadora do GenderGP no Reino Unido, diz que quanto mais cedo as pessoas trans puderem dizer à equipe de admissão que são trans, melhor.


"Eu sou trans, mas não quero que isso interfira nos meus cuidados de saúde", aconselha ela a dizer. "Estou preocupado que tenha coronavírus".


Webberley também sugere dizer algo como: "Tenho direito a cuidados de saúde justos e você não deve me tratar de maneira diferente de qualquer outro paciente". Ela ressalta que a maioria dos hospitais tem iniciativas de diversidade e contatos para pessoas que sofrem discriminação.


"Uma coisa que eu acho que realmente ajuda muitas vezes é um pronome", diz Ducar. "Ou mesmo, às vezes, uma espécie de declaração escrita para poder ajudar as pessoas - e não se esgotar, tentando dizer algo repetidamente".


O ponto principal, concordam os especialistas, é que as pessoas trans podem fazer um pouco de planejamento para aliviar muita ansiedade e dor mais tarde, caso precisem ir ao pronto-socorro.


"Acho que a preparação é a chave", diz Webberley. "Não é diferente se é coronavírus ou [uma doença diferente]."

Este post é parte do projeto Traduções LIVRES, que faz traduções livres de matérias e artigos produzidos originalmente em inglês por diversos veículos estrangeiros. Não existe nenhuma intenção comercial por trás da disponibilização desse conteúdo, apenas uma vontade de levar informação para quem não domina o idioma. Não possuímos nenhum direito sobre o conteúdo aqui disponibilizado, nem somos autorxs/produtorxs de nenhuma dessas matérias.

This post is part of the project Traduções LIVRES (free translations), that is currently translating materials and articles originally produced in English by several foreign journalists/writers and publish in different vehicles. There is no commercial intention behind making this content available, just a desire to bring information to those who do not speak the language. We are not the authors nor have the rights over the content provided here.

For any inquiries: hannahebron@gmail.com



3 visualizações
Envie seu pedido de TRADUÇÃO:

© 2023 Orgulhosamente criado com Wix.com