• Projeto Traduções LIVRES

Como o Covid-19 pode destruir comunidades indígenas

Os povos indígenas tendem a correr maior risco com as doenças infecciosas emergentes. O Covid-19 não é exceção - e alguns especialistas dizem que ele pode destruir nações e comunidades inteiras.

Link: https://www.bbc.com/future/article/20200727-how-covid-19-could-destroy-indigenous-communities

Veículo: Bbc.com

Data de publicação: 30/07/2020

Autorx: Terri Hansen

Título original: How Covid-19 could destroy indigenous communities

Indigenous peoples tend to be at higher risk from emerging infectious diseases. Covid-19 is no exception – and some experts say it could destroy whole nations and communities.

Traduzido por/Translated by: Hannah Hebron

Quando Victoria Tauli-Corpuz desceu do avião em Genebra em fevereiro, era para ser sua primeira parada em uma missão internacional em seu papel de Relatora Especial das Nações Unidas para os direitos dos povos indígenas. Em vez disso, novas - e de rápidas mudanças - regras de quarentena significavam que essa era sua última parada. O resto da viagem foi cancelada.


Em vez disso, Tauli-Corpuz voou de volta para casa nas Filipinas para se concentrar no Covid-19. Os impactos do novo coronavírus sobre os povos indígenas, ela percebeu, "poderiam nos varrer do mapa".


Os povos indígenas em todo o mundo tendem a correr maior risco de doenças infecciosas emergentes em comparação com outras populações. Durante a pandemia de H1N1 no Canadá em 2009, por exemplo, os canadenses aborígenes representaram 16% das internações hospitalares, apesar de constituírem 3,4% da população.


O Covid-19 não é exceção. Nos Estados Unidos, um em cada 2.300 americanos indígenas morreu, em comparação com um em 3.600 americanos brancos - tornando-os a segunda categoria étnica de maior risco nos EUA, depois dos americanos negros. Em meados de maio, a Nação Navajo, cuja reserva se estende por 27.000 milhas quadradas (70.000 km2) no sudoeste dos EUA, ultrapassou o estado de Nova York com a maior taxa de infecção de Covid-19 no país.


"Temos menos hospitais, médicos, respiradores - tudo o que é necessário para sobreviver à crise", disse Tauli-Corpuz. “Os povos indígenas também têm taxas mais altas de doenças pré-existentes e subnutrição que nos deixa mais suscetíveis”.


Os grupos indígenas da Amazônia são particularmente vulneráveis a morrer de Covid-19 porque muitas vezes vivem dias longe de ajuda médica profissional. Até 28 de julho, a doença havia matado 1.108 indígenas e foram registrados 27.517 casos, a maioria no Brasil, segundo dados publicados pela Red Eclesial Panamazonia (Repam). A doença afetou pelo menos 38 nações indígenas na Amazônia.


"Eles já estão enfrentando o 'ponto de inflexão' do colapso ecológico devido ao aumento das ameaças de desmatamento, incêndios, extração industrial, expansão do agronegócio e mudanças climáticas", disse a diretora executiva do Amazon Watch, Leila Salazar-Lopez, sobre os grupos indígenas da Amazônia.


"Agora, a pandemia criou mais uma crise e, a cada dia que passa, o risco de etnocídio se torna mais real."


Resposta de sobrevivência


Comunidades indígenas estão lutando.


"Estou surpreso ao ver as maneiras como os povos indígenas estão se preparando para fornecer apoio onde os governos não o fizeram", disse Tauli-Corpuz. “Eles estão fornecendo EPI e materiais de higiene, fazendo suas próprias máscaras e garantindo que as informações sobre a Covid-19 estejam disponíveis nos idiomas locais, e estão distribuindo alimentos e outras necessidades”.


Eles também estão escolhendo se isolar. Na nação Siekopai do Equador, cerca de 45 idosos indígenas, adultos e crianças viajaram para as profundezas da floresta para seu coração ancestral de Lagartococha para escapar da exposição ao coronavírus, disse o presidente da nação Justino Piaguaje.


Vários avôs e avós morreram. Mas desde esse isolamento, ninguém mais morreu.


No Alasca, onde muitas nações indígenas ainda se lembram da devastação da pandemia de gripe de 1918-19, mais de 200 comunidades remotas e de subsistência do Alasca se isolaram. No Pacífico Sul, a nação de Rarotonga, a maior da cadeia das Ilhas Cook, fechou e isolou toda a ilha.


Nos Estados Unidos, os Navajo, como muitas outras nações tribais, fecharam suas fronteiras e implementaram um toque de recolher. Eles também testaram mais de 40.000 pessoas Navajo. "Isso representa mais de 20% da população", disse o presidente Navajo, Jonathan Nez. “Testamos mais pessoas do que qualquer outro estado dos EUA - até mesmo em muitos países.


O Serviço Nacional de Parques dos EUA reabriu o Grand Canyon em 15 de maio, parte do qual está dentro da Nação Navajo, contra a vontade da nação.


No fundo do cânion vivem os Havasupai, cerca de 15% dos quais são anciãos tribais. Muitos são diabéticos ou asmáticos, o que os torna especialmente vulneráveis ao Covid-19. Eles dependem do turismo para alimentar suas famílias e animais, dizem os líderes tribais, e recorreram a uma campanha de financiamento coletivo do GoFundMe para compensar a perda de renda.


Na verdade, embora o Covid-19 seja um grande risco para as comunidades, o isolamento e a quarentena levam a outros problemas. “Comunidades que foram isoladas dos mercados podem não conseguir o que precisam para sobreviver”, diz Tauli-Corpuz.


Na África, as comunidades indígenas são vulneráveis ao Covid-19 devido a um sistema de saúde frágil e saneamento problemático, disse Hindou Oumarou Ibrahim, coordenador da Associação de Mulheres Peul e Povos Autóctones do Chade. Mas o distanciamento social e os bloqueios podem causar outros problemas, já que as pessoas precisam ir ao mercado comprar e vender seus produtos.


“Se não o fizerem, basicamente não terão comida para o dia a dia”, diz Ibrahim. “Nossa agricultura já está vulnerável devido aos impactos das mudanças climáticas e agora esta crise está adicionando pobreza à pobreza”.


Um desafio adicional é comunicar e fazer cumprir os bloqueios dentro das comunidades indígenas. Na Austrália, a proibição de “passeios não essenciais” em New South Wales significa uma multa de até 11.000 dólares australianos (£ 6.000) e pena de prisão para os indivíduos que violarem a proibição. Os aborígenes australianos, cuja renda per capita é 33% menor do que a de outros grupos étnicos, podem ter mais dificuldade para pagar essas multas. Suas localizações remotas também podem significar que estão menos informados sobre as políticas adotadas na pandemia.


Os povos indígenas e as comunidades locais podem se proteger melhor do vírus quando têm direitos legalmente reconhecidos às suas terras, Tauli-Corpuz diz: "eles podem aplicar melhor os bloqueios e governar os recursos de que precisam para sobreviver".


No entanto, existem preocupações de que os Estados e atores do setor privado usem a pandemia como desculpa para acelerar a grilagem de terras e as violações dos direitos humanos contra os povos indígenas e comunidades locais, disse Tauli-Corpuz.


“As regulamentações ambientais estão sendo suspensas em lugares como a Indonésia e o Brasil”, diz ela. “E no Quênia e em Uganda, tem havido mais grilagem de terras”.


Risco para os idosos


Outra preocupação para os povos indígenas em todos os lugares é o risco para os mais velhos.


“Nossos anciãos têm conhecimento especializado de nossos medicamentos naturais e cura xamânica, mas nem todo o seu conhecimento foi repassado às gerações mais jovens”, disse Nemonte Nenquimo, presidente do Conselho Coordenador da Nacionalidade Waorani do Equador-Pastaza.


Como seu conhecimento é transmitido por meio de suas tradições orais e cultura, quando os idosos morrem antes de terem a chance de ensinar o que sabem, isso pode ser perdido para sempre.


“É aprendido com a teia da vida, que todo ser vivo nos ensinou para construir e viver uma vida harmoniosa”, diz Delfin Payaguaje, 80 anos, xamã dos Siekopai de Waiya no leste do Equador e norte do Peru.


"Sem nosso conhecimento, perdemos nossa identidade, nossa cultura e nossa visão cósmica."


“Estamos preocupados com a situação que enfrentamos”, diz o presidente da Siekopai, Piaguaje, enquanto os idosos que morreram levaram consigo seus conhecimentos tradicionais. "Tememos perder toda a memória histórica de um povo."


Os povos indígenas em todo o mundo já enfrentaram uma miríade de ameaças. Quem como Salazar-Lopez teme que, mais do que uma crise adicional, a pandemia possa ser aquela à qual algumas nações não conseguirão sobreviver.

Este post é parte do projeto Traduções LIVRES, que faz traduções livres de matérias e artigos produzidos originalmente em inglês por diversos veículos estrangeiros. Não existe nenhuma intenção comercial por trás da disponibilização desse conteúdo, apenas uma vontade de levar informação para quem não domina o idioma. Não possuímos nenhum direito sobre o conteúdo aqui disponibilizado, nem somos autorxs/produtorxs de nenhuma dessas matérias.

This post is part of the project Traduções LIVRES (free translations), that is currently translating materials and articles originally produced in English by several foreign journalists/writers and publish in different vehicles. There is no commercial intention behind making this content available, just a desire to bring information to those who do not speak the language. We are not the authors nor have the rights over the content provided here.

For any inquiries: hannahebron@gmail.com


Envie seu pedido de TRADUÇÃO:

© 2023 Orgulhosamente criado com Wix.com