• Projeto Traduções LIVRES

Coronavírus no Brasil: o que você precisa saber

Como o Brasil se tornou um epicentro global do surto e quais foram as consequências políticas para seu presidente, que descartou os perigos?

Link: https://www.nytimes.com/article/brazil-coronavirus-cases.html

Veículo: Nytimes.com

Data de publicação: 20/06/2020

Autorx: Manuela Andreoni

Título Original: Coronavirus in Brazil: What You Need to Know

How did Brazil became a global epicenter of the outbreak, and what have been the political consequences for its president, who has dismissed the dangers?

Traduzido por/Translated by: Cintia Tetelbom

Aqui está o que você precisa saber:


  • O Brasil pode ter o maior número de mortes por Covid-19 no mundo até Julho.

  • Como o Brasil chegou aqui?

  • O que o país está fazendo para combater o surto?

  • Quais foram as consequências da resposta do Brasil?

  • Houveram desenvolvimentos positivos recentes?


O Brasil pode ter o maior número de mortes por Covid-19 no mundo até Julho.


A América Latina se tornou o epicentro da pandemia de coronavírus no final de Maio, impulsionada em grande parte pelo aumento do número de casos no Brasil, à medida que o número de infecções nos Estados Unidos e na Europa diminuiu.


Nas últimas semanas, o Brasil registrou mais de 1.000 novas mortes por dia do Covid-19, a doença causada pelo coronavírus, superando o número de mortes em todos os países, exceto os Estados Unidos. Em 19 de junho, o país registrou 54.771 novos casos, o maior total em um dia em qualquer país atingido pela pandemia. Se essa tendência se mantiver, alguns epidemiologistas projetam que o número de mortes da epidemia no Brasil poderá superar o dos Estados Unidos no final de Julho.


A resposta do país à crise tem sido amplamente criticada em casa e no exterior. O presidente Jair Bolsonaro descartou o perigo apresentado pelo vírus, sabotou medidas de quarentena adotadas em nível estadual e pediu aos brasileiros que continuem trabalhando para impedir o colapso da economia.


Mesmo com a piora da crise de coronavírus no país nas últimas semanas, algumas das principais cidades diminuíram medidas preventivas em meados de Junho. Os shopping centers começaram a reabrir em São Paulo e no Rio de Janeiro. As praias estão começando a atrair multidões novamente, mesmo enquanto alguns sistemas hospitalares estão quase ficando sem leitos de terapia intensiva (UTI).


Como o Brasil chegou até aqui?


O Brasil declarou estado de emergência de saúde pública no início de Março, apenas alguns dias depois da Organização Mundial da Saúde. O Ministério da Saúde insistiu que as autoridades estaduais cancelassem eventos públicos e implementassem medidas de distanciamento social.


Alguns especialistas pensaram que o Brasil estava bem equipado para enfrentar o desafio, com base em seu histórico em emergências de saúde pública passadas. O Brasil teve meses para estudar as respostas dos primeiros países atingidos pelo vírus e possui um sistema público de saúde que, embora subfinanciado, oferece uma cobertura consistente em todo o país.


Mas a resposta do país rapidamente deu errado, com esforços dos governos estaduais para combater o vírus muitas vezes em desacordo com as posições adotadas pelo presidente. Bolsonaro pressionou as autoridades de saúde pública a abandonarem as recomendações de distanciamento social, chamando o Covid-19 de "resfriado". Ele elogiou o uso da hidroxicloroquina como solução para a crise. Na segunda-feira (15/06/2020), a agência de Administração de Alimentação e Drogas dos EUA (Food and Drug Administration) disse que estava revogando a autorização de emergência do medicamento para tratar o Covid-19 em pacientes hospitalizados, dizendo que ele e a cloroquina "provavelmente não são eficazes" e podem apresentar riscos potenciais.


A resposta arrogante de Bolsonaro à pandemia o colocou contra governadores e funcionários do Ministério da Saúde, que pediam que as pessoas ficassem em casa na medida do possível. Dois ministros da saúde saíram após confrontos com Bolsonaro, um demitido e outro demitindo-se, deixando um general militar sem treinamento em saúde pública encarregado do segmento.


Segundo especialistas, as mensagens conflitantes do governo deixaram os brasileiros incertos sobre o mérito das medidas de isolamento, o que levou a um baixo cumprimento. Isso, por sua vez, levou a taxa de contágio do Brasil a ser uma das mais altas do mundo.


O que o país está fazendo para combater o surto?


O Ministério da Saúde ainda não apresentou um plano abrangente para combater o vírus. Uma de suas principais iniciativas foi aumentar a produção de hidroxicloroquina e incentivar os médicos do sistema público de saúde a prescrevê-lo.


O Brasil tem lutado para importar equipamentos essenciais e que salvam vidas, como testes para coronavírus e respiradores. A falta de testes tornou difícil para as autoridades entenderem em tempo real onde e com que rapidez o vírus está se espalhando. Especialistas acreditam que os números oficiais de coronavírus do Brasil subestimam significativamente o escopo do problema.


Entre 1º de janeiro e 6 de junho, 23.171 pessoas que não foram diagnosticadas com o coronavírus morreram de infecções respiratórias agudas, de acordo com dados divulgados pela Fiocruz, um dos institutos de pesquisa em saúde estatais do Brasil. Especialistas acreditam que a maior parte deles morreu de Covid-19.


Para aliviar a dor econômica, o Brasil ofereceu três parcelas mensais de US$120 a US$240 a pessoas que perderam sua renda como consequência da pandemia. Esse programa foi marcado por denúncias generalizadas de fraude e pela dificuldade que muitas pessoas elegíveis experimentaram no acesso aos fundos. Não está claro se haverá pagamentos adicionais.


Quais foram as consequências da resposta do Brasil?


A resposta caótica do Brasil aprofundou a polarização política entre apoiadores e críticos do presidente. Os sistemas hospitalares lidaram basicamente com a quantidade esmagadora de pacientes, mas o vírus causou um impacto devastador nos profissionais de saúde. Dezenas de enfermeiros e técnicos hospitalares morreram após contrair o vírus no trabalho.


No país profundamente desigual, alguns grupos foram pior atingidos que outros. Segundo um relatório das Nações Unidas, os pretos no estado de São Paulo têm 62% mais chances de morrer do que os brancos.


Brasileiros pobres que ficam doentes têm menos probabilidade de receber assistência médica de alta qualidade. Mesmo que a maioria dos hospitais públicos esteja operando com capacidade quase total, vários hospitais particulares têm muito espaço sobrando. A taxa de mortalidade nas cidades mais pobres tem sido substancialmente superior à taxa nas cidades ricas.


A pandemia exacerbou vários dos problemas crônicos do Brasil. O desmatamento na floresta amazônica aumentou e a polícia continuou matando dezenas de pessoas nas comunidades de baixa renda do Rio de Janeiro.


A economia do Brasil deverá contrair 8% este ano, e a fuga de capitais está atingindo níveis nunca vistos desde os anos 90, quando o país lutava com a hiperinflação.


E, enquanto o Brasil se recupera da pior crise em décadas, Bolsonaro e seus aliados estão usando a perspectiva de intervenção militar para proteger seu poder.


Houveram desenvolvimentos positivos recentes?


Há alguns sinais de que o surto no Brasil está começando a se estabilizar. Um estudo do Imperial College London estimou que a taxa de contágio do Brasil atingiu 1,05 nesta semana, abaixo dos 2,8 de Abril. A taxa atual significa que cada 100 pessoas contaminadas infectam outras 105. O surto é considerado sob controle quando a taxa de contágio for inferior a 1.


"O aumento não é tão exponencial como era anteriormente", disse Michael Ryan, diretor executivo da Organização Mundial da Saúde, a repórteres na quarta-feira. "[Mas] a doença pode decolar novamente."

Este post é parte do projeto Traduções LIVRES, que faz traduções livres de matérias e artigos produzidos originalmente em inglês por diversos veículos estrangeiros. Não existe nenhuma intenção comercial por trás da disponibilização desse conteúdo, apenas uma vontade de levar informação para quem não domina o idioma. Não possuímos nenhum direito sobre o conteúdo aqui disponibilizado, nem somos autorxs/produtorxs de nenhuma dessas matérias.

This post is part of the project Traduções LIVRES (free translations), that is currently translating materials and articles originally produced in English by several foreign journalists/writers and publish in different vehicles. There is no commercial intention behind making this content available, just a desire to bring information to those who do not speak the language. We are not the authors nor have the rights over the content provided here.

For any inquiries: hannahebron@gmail.com

Envie seu pedido de TRADUÇÃO:

© 2023 Orgulhosamente criado com Wix.com