• Projeto Traduções LIVRES

Médicos sem Fronteiras é 'institucionalmente racista', dizem 1,000 fontes internas

Instituição de caridade médica é acusada de apoiar o colonialismo e a supremacia branca em seu trabalho.

Link: https://www.theguardian.com/global-development/2020/jul/10/medecins-sans-frontieres-institutionally-racist-medical-charity-colonialism-white-supremacy-msf

Veículo: Theguardian.com

Data de publicação: 10/07/2020

Autorx: Karen McVeigh

Título original: Médecins Sans Frontières is 'institutionally racist', say 1,000 insiders

Medical charity accused of shoring up colonialism and white supremacy in its work.

Traduzido por/Translated by: Hannah Hebron

A ONG médica Médecins sans Frontières (Médicos Sem Fronteiras) é institucionalmente racista e reforça o colonialismo e a supremacia branca em seu trabalho humanitário, de acordo com uma declaração interna assinada por 1.000 atuais e ex-funcionários.


A declaração acusou a instituição MSF de não reconhecer a extensão do racismo perpetuada por suas políticas, práticas de contratação, cultura no local de trabalho e programas de "desumanização", administrados por uma força de trabalho da "minoria branca privilegiada".


Dirigida à gerência sênior e colegas, a carta pede uma investigação independente sobre o racismo dentro da organização e uma reforma urgente e completa para desmantelar “décadas de poder e paternalismo”.


Os signatários incluem Javid Abdelmoneim, presidente do conselho do MSF no Reino Unido, Agnes Musonda, presidente do conselho no sul da África, e Florian Westphal, diretor administrativo do MSF na Alemanha.


Christos Christou, presidente internacional do MSF, recebeu a declaração como um "catalisador" para agir mais rapidamente em uma série de mudanças já planejadas na organização.


A declaração segue um feroz debate interno sobre o racismo e o movimento Black Lives Matter. Alguns funcionários ficaram revoltados com uma declaração recente divulgada pelo MSF Itália, sugerindo que ele não deveria usar o termo "racismo" e que "todos, começando com o MSF", deveriam falar sobre "todas as vidas importam".


O MSF, uma das maiores organizações humanitárias do mundo, que recebeu o Prêmio Nobel da Paz em 1999, fornece serviços médicos de emergência a pessoas em situações de carência em países pobres e zonas de conflito.


No ano passado, a instituição empregou 65.000 funcionários, cerca de 90% dos quais foram contratados localmente. No entanto, a maioria de suas operações é dirigida por gerentes seniores europeus em cinco centros operacionais na Europa Ocidental, com apenas um, que foi inaugurado no ano passado no Senegal, localizado no hemisfério sul global.


Shaista Aziz, ex-colaboradora do MSF e co-fundadora da ONG Safe Space (espaço seguro, em tradução livre), uma plataforma feminista interseccional que busca prestar contas sobre os abusos relacionados ao #AidToo, disse: "Esse momento de acerto de contas está muito atrasado".


"O trabalho real que precisa ser feito é desmontar as estruturas de poder que estão causando danos e esse é o trabalho que poucas pessoas realmente querem fazer".


A mudança, disse Aziz, "requer uma liderança corajosa e ousada e exige que muita gente branca e poderosa "do bem saia de cena.


Padma Priya, ex-gerente de mídia do MSF em Delhi, que saiu em 2018, disse que o racismo casual era "uma realidade para pessoas como eu todos os dias".


"Havia um sentimento constante de que eles precisavam da equipe nacional para lidar com as coisas, mas, caso contrário, 'somos melhores que eles'. Foi cansativo.


Os testemunhos pessoais dos signatários da carta sugeriram a extensão do problema. "Tentar apoiar um membro da equipe nacional a candidatar-se a um emprego como membro da equipe internacional é o processo mais tedioso, injusto e frustrante que eu já enfrentei", disse um funcionário.


Havia uma mentalidade “quase sufocante” de salvador branco, disse outro, enquanto outros se queixavam de políticas de recrutamento que “[pressionavam] funcionários com 10 ou 20 anos de experiência a serem supervisionados por recém-formados”.


Christou disse: “Eu vejo isso como uma oportunidade que veio por meio de um evento trágico que provocou raiva e discussão dentro do nosso movimento."


“Nossa prioridade é aproximar a tomada de decisão de onde estão as necessidades e envolver os pacientes e a comunidade na elaboração de estratégias de intervenção. Diminuir o poder de decisão da Europa e redistribuí-lo para o resto do mundo. ”


Muitos dos pontos de ação estabelecidos no comunicado, enviado em 29 de junho, foram acordados em uma reunião da equipe uma semana antes da publicação da carta, disse ele.


Ele reconheceu que uma revisão das políticas de recursos humanos em 2017 para combater a estrutura salarial "injusta e discriminatória" não foi suficientemente longe. "Agora estamos revendo isso", disse ele.


Na última década, a porcentagem de coordenadores internacionais de programas do MSF no hemisfério sul aumentou de 24% para 46%, disse Christou.


"Os cargos de gerência sênior ainda eram pessoas, infelizmente, do hemisfério norte global", disse ele. "Isso é outra coisa que estamos tentando superar."


Ele disse que uma revisão dos salários dos funcionários já havia começado.


Uma tentativa de combater o racismo dentro da organização três anos atrás falhou quando sua assembléia geral internacional decidiu não adotar uma moção para “eliminar o racismo, preconceito e privilégio”, elaborada pelo braço americano da instituição Médicos sem Fronteiras.


Avril Benoît, diretor executivo do MSF EUA, disse: “Grande parte do foco atual foi desencadeado pela brutalidade de um policial com o joelho no pescoço de George Floyd. Muitos de nós, brancos, estamos entendendo que a violência policial é apenas o ápice de uma pirâmide de opressão."


"Quando você se depara com isso pela primeira vez, você diz: 'Esse não sou eu, sou humanitário, somos todas pessoas tão boas' '. Mas se você olhar uma imagem daqueles dos mais altos níveis executivos, verá sua resposta. As pessoas boas que podemos ser e as políticas que adotamos não são suficientes. ”


Claudia Lodesani, presidente do MSF Itália, pediu desculpas pelos ferimentos causados ​​pela declaração do conselho italiano que fez uma orientação contra o uso do termo "racismo" em 28 de junho. “Desde então, escrevemos uma nova carta para esclarecer nossa intenção e pedir desculpas pelos danos causados ​​a colegas em todo o mundo, reafirmando que apoiamos totalmente o movimento BLM e que, como toda a organização dos Médicos sem Fronteiras, condenamos o racismo e toda forma de discriminação. "


Em 2019, o MSF recebeu sete queixas formais de discriminação racial, das quais menos de cinco foram confirmadas após investigação. A instituição reconheceu que as queixas de abuso e problemas de comportamento, especialmente de funcionários contratados localmente, pacientes e seus prestadores de cuidados, foram subnotificados pela organização.

Este post é parte do projeto Traduções LIVRES, que faz traduções livres de matérias e artigos produzidos originalmente em inglês por diversos veículos estrangeiros. Não existe nenhuma intenção comercial por trás da disponibilização desse conteúdo, apenas uma vontade de levar informação para quem não domina o idioma. Não possuímos nenhum direito sobre o conteúdo aqui disponibilizado, nem somos autorxs/produtorxs de nenhuma dessas matérias.

This post is part of the project Traduções LIVRES (free translations), that is currently translating materials and articles originally produced in English by several foreign journalists/writers and publish in different vehicles. There is no commercial intention behind making this content available, just a desire to bring information to those who do not speak the language. We are not the authors nor have the rights over the content provided here.

For any inquiries: hannahebron@gmail.com

34 visualizações
Envie seu pedido de TRADUÇÃO:

© 2023 Orgulhosamente criado com Wix.com