• Projeto Traduções LIVRES

Para Médicos Racializados, Microagressões São Muito Familiares

“Eles perguntam se você está entrando para tirar o lixo - coisas que eles não perguntariam a um médico que fosse um homem branco”

Link: https://medium.com/the-new-york-times/for-doctors-of-color-microaggressions-are-all-too-familiar-425f9cb70c48

Veículo: Medium - NY Times

Data de publicação: 18/08/2020

Autorx: Emma Goldberg

Título original: For Doctors of Color, Microaggressions Are All Too Familiar

“They ask you if you’re coming in to take the trash out — stuff they wouldn’t ask a physician who was a white male.”

Traduzido por/Translated by: Nara A. de Souza

Quando a Dra. Onyeka Otugo estava fazendo seu treinamento em medicina de emergência, em Cleveland e Chicago, ela frequentemente era confundida com uma zeladora ou trabalhadora de serviços de alimentação, mesmo depois de se apresentar como médica. Ela percebeu logo no início que seus colegas homens brancos não estavam passando por confusões semelhantes.


“As pessoas me perguntam várias vezes se o médico está vindo, o que pode ser frustrante”, disse Otugo, que agora é médica assistente de medicina de emergência e pesquisadora de políticas de saúde no Hospital Brigham and Women’s em Boston. “Eles perguntam se você está vindo para levar o lixo para fora - coisas que eles não perguntariam a um médico que fosse um homem branco.”


Após anos de treinamento em departamentos de emergência predominantemente brancos, Otugo experimentou muitas dessas microagressões. O termo, cunhado na década de 1970 pelo Dr. Chester Pierce, um psiquiatra, refere-se a "trocas sutis, atordoantes, muitas vezes automáticas e não verbais que são ‘humilhantes’" para negros e membros de outros grupos minoritários; “Micro” se refere à sua frequência na rotina, não à escala de seu impacto. Otugo disse que os encontros às vezes a faziam se perguntar se ela era uma médica qualificada e competente, porque os outros não a viam dessa forma.


Outras médicas negras, em todas as especialidades, disseram que tais experiências eram muito comuns. A Dra. Kimberly Manning, interna em medicina do Grady Memorial Hospital, em Atlanta, lembrou-se de inúmeras microagressões em ambientes clínicos. “As pessoas podem não perceber que você está ofendido, mas é como a morte por mil cortes de papel”, disse Manning. "Isso pode fazer você encolher."


O campo da medicina há muito tem inclinação pelo branco e o masculino. Apenas 5% da força de trabalho médica americana é afro-americana e cerca de 2% são mulheres negras. A medicina de emergência é ainda mais predominantemente branca, com apenas 3% dos médicos se identificando como negros. O canal de informação também é parte do problema; nas escolas de medicina americanas, apenas 7% da população estudantil agora é negra.


Mas para as médicas negras, chegar à área médica é apenas o primeiro de muitos desafios. Mais de uma dúzia de mulheres negras entrevistadas disseram que frequentemente ouviam comentários de colegas e pacientes questionando sua credibilidade e minando sua autoridade durante o trabalho. Essas experiências prejudicaram seu senso de confiança e às vezes dificultaram o trabalho em equipe, disseram elas, criando tensões que custam um tempo precioso durante os procedimentos de emergência.


Alguns médicos disseram que achavam as microagressões particularmente frustrantes, sabendo que, como médicos negros, eles trouxeram uma perspectiva valiosa para os cuidados que oferecem. Um estudo de 2018 mostrou que os pacientes negros tinham melhores resultados quando vistos por médicos negros e eram mais propensos a concordar com medidas de cuidados preventivos, como exames de diabetes e testes de colesterol.


Em maio, quatro médicas negras publicaram um artigo na revista Annals of Emergency Medicine sobre microagressões. As autoras, Dra. Melanie Molina, Dra. Adaira Landry, Dra. Anita Chary e Dra. Sherri-Ann Burnett-Bowie, disseram que esperavam que, trazendo luz ao problema, elas pudessem reduzir a sensação de isolamento que médicas negras experimentam e forçar seus colegas brancos a tomar medidas específicas para eliminar o preconceito consciente e inconsciente.


As discussões sobre a falta de diversidade na medicina ressurgiram no início de agosto, quando o Journal of the American Heart Association retirou um artigo que argumentava contra as iniciativas de ação afirmativa na área e dizia que os estagiários negros e hispânicos eram menos qualificados do que seus colegas brancos e asiáticos.


A Dra. Phindile Chowa, 33, professora assistente de medicina de emergência na Universidade de Emory, estava em seu segundo ano de residência quando um assistente de seu departamento a confundiu com uma técnica de eletrocardiograma, embora ela já tivesse trabalhado com ele anteriormente em outros turnos. Ela se aproximou dele para passar um relatório sobre seus pacientes, e ele silenciosamente estendeu a mão, esperando que ela lhe entregasse um eletrocardiograma.


“Ele nunca se desculpou,” disse Chowa. “Ele não achou que tinha feito nada de errado naquele dia. Eu era a única residente negra em minha classe. Como ele poderia não saber quem eu sou?”


Os encontros depreciativos continuaram a partir daí. Colegas se referem a ela como "meu bem" ou "querida". Ela se lembrou de um paciente que perguntou repetidamente quem ela era durante uma visita ao hospital, enquanto aprendia rapidamente o nome de seu médico assistente branco. Quando ela foi admitida pela primeira vez no programa de residência, na Universidade de Harvard, um colega de classe da faculdade de medicina sugeriu que ela teve uma “vantagem” no processo seletivo por causa de sua raça.


Esses comentários podem criar um ambiente de medo para as mulheres negras. Otugo se lembra de ter ouvido por acaso suas colegas negras em Chicago discutindo como eles iriam arrumar o cabelo para seus escritórios. Muitas delas temiam que se usassem os cabelos naturalmente, ao invés de alisá-los ou mesmo mudá-los para cores mais claras, suas notas e avaliações de desempenho feitas por médicos brancos poderiam ser prejudicadas.


A Dra. Sheryl Heron, uma professora negra de medicina de emergência da Escola de Medicina da Universidade de Emory, que trabalhou no campo por mais de duas décadas, disse que as microagressões podem causar um prejuízo duradouro. “Depois da décima segunda milésima vez, isso começa a impedir sua capacidade de ter sucesso”, disse ela. “Você começa a entrar em cenários sobre sua autoestima. É uma viagem de cabeça."


Isso vem além do estresse que já se espalha pelos departamentos de emergência. Uma pesquisa de 2018 com mais de 1.500 médicos em início de carreira em medicina de emergência descobriu que 76% estavam experimentando sintomas de esgotamento (burnout).


Mas as médicas negras disseram ter visto como os pacientes negros contam com sua presença para obter o melhor atendimento. Monique Smith, uma médica em Oakland, Califórnia, estava trabalhando no pronto-socorro uma noite quando um jovem negro entrou com ferimentos de um acidente de carro. Ela ficou confusa quando alguns de seus colegas o chamaram de "encrenqueiro", então ela visitou a cama do paciente e lhe perguntou sobre sua experiência de internação. Ele disse a ela que começou a atacar quando sentiu que estava sendo estereotipado pelos membros da equipe por causa da cor de sua pele e do bairro de onde vinha.


“Eu fui capaz de entrar na sala e dizer: ‘Ei cara, de pessoa negra para pessoa negra, e aí?’” Disse Smith. “Então eu o defendi e me certifiquei de que ele recebesse um atendimento eficaz.”


A conversa deixou Smith mais atenta aos comentários degradantes que pacientes negros vivenciam em hospitais, e ela agora tenta intervir e identificar os preconceitos de seus colegas. Ela acredita, por exemplo, que os médicos às vezes são mais rápidos para solicitar testes de drogas para pacientes negros, mesmo que seus sintomas provavelmente não estejam relacionados ao abuso de substâncias.


Mas muitos médicos negros acham um desafio ser defensores de si mesmos e de seus pacientes, particularmente dentro das hierarquias rígidas do sistema médico. “Você se depara com situações em que será percebida como a mulher negra raivosa, embora esteja apenas sendo seu próprio defensor”, disse a Dra. Katrina Gipson, médica emergencial. “Você está constantemente seguindo a linha de como ser um profissional perfeito.”


Landry, autora de um artigo recente e médica de emergência do Hospital Brigham and Women’s, disse que os diretores de hospitais e residências que buscam resolver o problema enraizado devem começar ouvindo e validando as experiências pessoais dos médicos negros. Continuar a diversificar os departamentos de medicina de emergência também é fundamental, acrescentou ela, para que os médicos negros não trabalhem isoladamente para implementar mudanças culturais e organizem orientação de colegas negros mais antigos.


“Sou a única mulher afro-americana do corpo docente do meu departamento, e isso cria a sensação de não ter um sistema de apoio para falar quando algo acontece com você”, disse Landry. “Ter este artigo é uma ferramenta de validação para as pessoas dizerem: ‘Veja, não sou a única com quem isso está acontecendo’”.


Molina, uma residente de medicina de emergência no Hospital Brigham and Women’s e uma das autoras do artigo, disse que destacar a diversidade na medicina foi particularmente importante em meio a uma pandemia que afeta de forma desproporcional os pacientes negros. “A pandemia COVID serviu para enfatizar as disparidades de saúde e como elas impactam as populações negras”, disse ela. “Como médicos de emergência, temos que apresentar uma frente unida reconhecendo que o racismo é um problema de saúde pública.”

Este post é parte do projeto Traduções LIVRES, que faz traduções livres de matérias e artigos produzidos originalmente em inglês por diversos veículos estrangeiros. Não existe nenhuma intenção comercial por trás da disponibilização desse conteúdo, apenas uma vontade de levar informação para quem não domina o idioma. Não possuímos nenhum direito sobre o conteúdo aqui disponibilizado, nem somos autorxs/produtorxs de nenhuma dessas matérias.

This post is part of the project Traduções LIVRES (free translations), that is currently translating materials and articles originally produced in English by several foreign journalists/writers and publish in different vehicles. There is no commercial intention behind making this content available, just a desire to bring information to those who do not speak the language. We are not the authors nor have the rights over the content provided here.

For any inquiries: hannahebron@gmail.com

2 visualizações
Envie seu pedido de TRADUÇÃO:

© 2023 Orgulhosamente criado com Wix.com