• Projeto Traduções LIVRES

Toda antiga propriedade de lavoura no país deveria se tornar um museu sobre a escravatura

Hoje, elas são armadilhas para turistas ou cenário para casamentos. Mas, como Auschwitz e os locais de outros campos de concentração na Europa, elas precisam servir a um propósito muito maior - garantindo que os Estados Unidos nunca esqueçam o horror da escravidão.

Link: https://melmagazine.com/en-us/story/every-plantation-in-the-country-should-be-turned-into-a-slavery-museum

Veículo: Melmagazine.com

Data de publicação: 10/06/2020

Autorx: Zaron Burnett III

Título original: Every plantation in the country should be turned into a slavery museum

Today, they’re either tourist traps or the backdrop for weddings. But like Auschwitz and the sites of other concentration camps in Europe, they need to serve a much bigger purpose — making sure that America never forgets the horror of slavery.

Traduzido por/Translated by: Hannah Hebron

Em Montgomery, Alabama, manifestantes que protestavam a morte de George Floyd derrubaram uma estátua do general Robert E. Lee do lado de fora de uma escola no centro da cidade. Depois de demolida, eles usaram carros para arrastar a estátua, enquanto outros manifestantes gritavam: "Ei, ei, adeus!" Enquanto isso, em Birmingham, manifestantes derrubaram um monumento de Charles Linn, um capitão da marinha confederada. E em Richmond, Virgínia, os manifestantes usavam cordas para derrubar uma estátua do general confederado Williams Carter Wickham. Mais a oeste do Tennessee, manifestantes em Nashville derrubaram uma estátua de Edward Carmack, um editor e ex-legislador que usou seu poder para incitar um incêndio criminoso para destruir o escritório de Memphis da famosa jornalista negra Ida B. Wells. Agora, porém, ele finalmente foi retirado do pedestal - uma justiça demorada.


O problema é que precisamos ir muito, muito mais longe. Não podemos reprimir nossa fome de justiça com a satisfação de vitórias simbólicas. Precisamos levantar novas instituições culturais para memorializar essa nova visão de nosso passado coletivo.


Devemos começar transformando todas as 375 propriedades de lavoura (conhecidas como Plantations) restantes no sul - da Virgínia ao Texas - em museus da escravatura. Até o momento, apenas uma foi transformada em museu - a Whitney Plantation. A propriedade abriga “16 estruturas originais, incluindo a Casa Grande e duas cabines de escravos (senzalas). Como local de memória, a Whitney Plantation apresenta vários memoriais dedicados ao povo escravizado que foram forçados a viver e trabalhar aqui e em toda a Louisiana.”


Constituiria um memorial apropriado para os milhões de homens, mulheres e crianças que viveram suas vidas escravizados, pessoas que morreram nas mãos de mestres e supervisores cruéis. Para todas as mães que tiveram filhos por agressão sexual e cujos filhos geraram riqueza para o estuprador que os gerou. Para os pais que não podiam proteger seus filhos de serem vendidos como gado. Pelos filhos e filhas que viveram vidas tão inimaginavelmente cruéis.


Precisamos de museus da escravidão para que a América não possa esquecer ou negar sua história. É o único caminho a seguir.


Em 2017, o Southern Poverty Law Center perguntou aos estudantes americanos do ensino médio sobre a Guerra Civil e a escravidão, e “apenas 8% dos alunos do ensino médio pesquisados ​​[podiam] identificar a escravidão como a causa central da Guerra Civil”. Essa é uma das principais acusações ao nosso currículo escolar. Existem sete problemas principais com ele, segundo o Southern Poverty Law Center (em tradução livre, Centro Sulista de Direito para a Pobreza) . Os principais dentre eles: “Ensinamos sobre escravidão sem contexto, preferindo apresentar as boas novas antes das más. No ensino fundamental, os alunos aprendem sobre a Underground Railroad, sobre Harriet Tubman ou outras histórias de 'sentir-se bem', muitas vezes antes de aprenderem sobre a escravidão. No ensino médio, há ênfase excessiva em Frederick Douglass, abolicionistas e na Proclamação da Emancipação e pouco entendimento de como o trabalho escravo construiu a nação. ”


Quanto às Plantations, agora são usadas principalmente como armadilhas para turistas e cenários de casamentos. Há esforços nas mídias sociais para envergonhar as pessoas que escolhem celebrar um dos dias mais felizes de suas vidas em um lar histórico de estupro, assassinato e tortura inimagináveis. Mas a escolha deles não é apenas desagradável, sugere um problema muito maior de educação e memória cultural. Ninguém jamais se casaria em Auschwitz. As Plantations devem ser tratadas da mesma maneira. Elas devem se tornar lembretes físicos do que somos capazes quando desumanizamos os outros.


Muitas dessas propriedades oferecem aulas de história guiadas. De fato, existem inúmeras excursões pelas casas outrora grandiosas. Mas elas tendem a se concentrar nos pequenos detalhes, como rendas delicadas, talheres imponentes e louças, roupas opulentas, arquitetura impressionante e motivos palacianos. Em outras palavras, os passeios pelas Plantations evitam mencionar, ou simplesmente escolhem pular cuidadosamente o trabalho roubado e a crueldade desumana necessária para manter essa grandeza.


Outros, pelo menos, tentaram virar essa narrativa. Em novembro de 2019, por exemplo, o artista Dread Scott organizou uma reconstituição de uma rebelião de escravos. Os reencenadores da revolta de escravos, pretos e brancos, marcharam quilômetros por toda a Louisiana, a fim de dar vida à história real para as mentes e olhos modernos.


12 horas como um escravo


Poderia haver reconstituições semelhantes nos terrenos de Plantations. Também poderia haver galerias de fotos e coleções de materiais de origem contemporâneos. Pode até haver exercícios como o olhos azuis/olhos castanhos no estilo Jane Elliott, para os alunos entenderem emocionalmente o que a escravidão e a desumanização podem fazer com o senso de auto de uma pessoa. Melhor ainda, poderia haver amplas celebrações anuais de Juneteenth (19 de Junho 1865) de para marcar a emancipação da América Negra da escravidão geracional. Tal celebração da liberdade também seria um ato de lembrança para todos aqueles que nunca conheceram essa liberdade nesta terra. (Claro, tudo o que estou falando deve ser criado/supervisionado por diretores de museus pretos, acadêmicos pretos e professores de história e guias turísticos e docentes pretos.)


Tudo isso significa que os pecados originais de genocídio e escravidão não desaparecerão por causa dos protestos que estamos fazendo hoje. Nem o fervor do momento durará para sempre. Em breve, as marcas seguirão em frente, as celebridades deixarão de postar e as pessoas inevitavelmente se distrairão. Diante dessa realidade, precisaremos de instituições para manter a memória cultural e garantir que a América nunca possa esquecer sua história feia.


Por isso, ao derrubar os memoriais à crueldade e à exploração, devemos substituí-los por seus opostos - centros de educação e empatia coletiva. Vamos incorporar um currículo para as próximas gerações, abrigá-lo em instituições de memória e construir novos memoriais à liberdade, para que possamos acabar com o racismo anti-negritude de uma vez por todas - juntos.

Este post é parte do projeto Traduções LIVRES, que faz traduções livres de matérias e artigos produzidos originalmente em inglês por diversos veículos estrangeiros. Não existe nenhuma intenção comercial por trás da disponibilização desse conteúdo, apenas uma vontade de levar informação para quem não domina o idioma. Não possuímos nenhum direito sobre o conteúdo aqui disponibilizado, nem somos autorxs/produtorxs de nenhuma dessas matérias.

This post is part of the project Traduções LIVRES (free translations), that is currently translating materials and articles originally produced in English by several foreign journalists/writers and publish in different vehicles. There is no commercial intention behind making this content available, just a desire to bring information to those who do not speak the language. We are not the authors nor have the rights over the content provided here.

For any inquiries: hannahebron@gmail.com


5 visualizações
Envie seu pedido de TRADUÇÃO:

© 2023 Orgulhosamente criado com Wix.com