• Projeto Traduções LIVRES

Trump chamou o exército para assustar manifestantes antirracistas. Eles apareceram mesmo assim

Enfrentando ameaças de violência policial e militar, manifestantes apareceram aos milhares em D.C. e em todo o país para pedir justiça a George Floyd.

Link: https://www.huffpost.com/entry/george-floyd-protests-continue-despite-trump-threat-military-force_n_5ed711bfc5b68e90298a5c99?ncid=engmodushpmg00000004

Veículo: Huffpost.com

Data de publicação: 03/06/2020

Autorx: Ryan J. Reilly, Elise Foley, Jessica Schulberg, e Philip Lewis

Título original: Trump Called In The Military To Scare Anti-Racist Protesters. They Showed Up Anyway

Facing threats of violence from police and military, protesters showed up by the thousands in D.C. and around the nation to call for justice for George Floyd.

Traduzido por/Translated by: Stefania Tolomeotti

Manifestantes marcharam por Washington, D.C., na noite de terça-feira, apesar de enfrentar a ameaça de violência de policiais locais e federais e policiais militares do governo Trump em uma esmagadora demonstração de força destinada a acabar com as manifestações contra a brutalidade e o racismo da polícia.

No centro de Washington, uma nova estação policial ou veículo militar aparecia a cada esquina. Policiais militares equipados para uma zona de guerra estavam alinhados em frente ao Lincoln Memorial. O procurador-geral William Barr prometeu "ainda maiores recursos e apoio à polícia" no distrito de Columbia na terça-feira, um dia depois de ordenar que policiais usassem projéteis e spray de pimenta para afugentar os manifestantes de um espaço perto da Casa Branca, desta forma o presidente Donald Trump poderia ir a uma igreja próxima para tirar uma foto segurando uma Bíblia.

Membros da Guarda Nacional de Washington direcionavam o tráfego, enquanto seus veículos estavam estacionados nas proximidades. A polícia do Departamento de Segurança Interna formou uma fila perto do Edifício dos Assuntos dos Veteranos. Agentes da Administração de Repressão às Drogas estavam posicionados nas esquinas. Membros uniformizados das forças armadas estavam em seus veículos militares próximo ao Museu Nacional de História e Cultura Afro-Americana. Oficiais da Patrulha de Fronteira e agentes aduaneiros dos EUA estavam estacionados perto do Edifício Ronald Reagan, e homens que se autodenominavam "ativos do Departamento de Justiça" ou com "o governo federal" estavam posicionados perto do Departamento de Justiça e do edifício do FBI.

Ainda assim, milhares de manifestantes apareceram com o intuito de chamar a atenção para a morte de George Floyd – um homem negro de 46 anos morto na semana passada por um policial de Minneapolis, que se ajoelhou sobre seu pescoço durante quase nove minutos, mesmo quando ele alegava que não podia respirar – e para os muitos, muitos outros negros mortos pela polícia. Os protestos não foram reprimidos, apesar das táticas assustadoras.

Os manifestantes foram em massa para o centro da cidade, alguns deles ecoando o nome de Floyd.

Dois ciclistas que observavam a cena equiparam suas motos com sinais que diziam: "Vidas negras importam" e "O silêncio branco é violência". Espectadores tiraram fotos de pichações de um porco morto na frente do prédio do Departamento do Tesouro e um prédio perto da Casa Branca foi marcado com as frases “Capitalismo é assassinato” e “Por que precisamos continuar dizendo que vidas negras importam?”

Os manifestantes tinham motivos para acreditar que poderiam ser prejudicados pela aplicação da lei, mesmo que suas manifestações permanecessem pacíficas. Em todo o país, agentes da lei responderam violentamente aos protestos contra a brutalidade policial, apontando casos de saques e tumultos como justificativa para atirar gás lacrimogêneo e projéteis em manifestantes pacíficos. Vários prefeitos chamaram a Guarda Nacional para ajudar a policiar suas cidades e aplicar o toque de recolher.

Em Washington, na noite de segunda-feira, Barr ordenou pessoalmente às autoridades que reprimissem um protesto pacífico usando munições químicas, antecipando-se a um discurso de Trump no qual ele prometeu enviar "milhares de soldados fortemente armados" para a capital do país, além de enviar soldados para outras cidades americanas, caso os prefeitos não controlassem os protestos contra a brutalidade policial.

Havia indicações de que a terça-feira poderia ser ainda mais dramática, com uma maior presença militar e policial em Washington. Além disso, o Departamento de Justiça autorizou a Administração de Repressão às Drogas a "realizar vigilância secreta" e investigar as pessoas que participavam dos protestos, informou o BuzzFeed News.

Um manifestante disse que a demonstração de força em Washington os deixou desconfiados e nervosos. Eles estavam preocupados que fossem presos, assim aconteceu como outros manifestantes em uma rua residencial na noite anterior.

Alguns manifestantes se prepararam para uma potencial repressão: Um grupo de jovens que vinham do norte da Casa Branca carregava sacolas cheias de leite e gaze para ajudar os manifestantes atingidos por spray de pimenta ou balas de borracha.

A demonstração de força de Trump, destinada a afirmar seu poder e intimidar os manifestantes, lhe rendeu muitas críticas. Vários governadores disseram que não permitirão que Trump envie tropas para seus estados. Mike Mullen, ex-presidente do Conjunto de Chefes de Estado, escreveu na terça-feira que estava "enjoado" ao ver membros da Guarda Nacional afastar de forma violenta os manifestantes e preocupado com o fato de "membros de nossas forças armadas serem cooptados para fins políticos.

O arcebispo católico romano de Washington condenou a visita de Trump ao santuário nacional de João Paulo II na terça-feira, insistindo que o antigo papa "não toleraria o uso de gás lacrimogêneo e outros artifícios para silenciar, dispersar ou intimidar" os manifestantes.

Muitos democratas e alguns republicanos se manifestaram contra a resposta do presidente.

Mas não está claro quem tem a capacidade ou a vontade de interromper a atitude autoritária do presidente. Barr, o procurador-geral escolhido por Trump, pressionou o Escritório de Assessoria Jurídica do Departamento de Justiça para apoiar várias das medidas legalmente questionáveis ​​do presidente. Alguns democratas prometeram ações limitadas: o senador da Virgínia Tim Kaine disse que irá sugerir uma emenda à Lei de Autorização de Defesa Nacional proibindo o uso de força militar contra os americanos. A senadora Elizabeth Warren, de Massachusetts, que participou dos protestos em Washington na noite de terça-feira, pediu o impeachment de Barr e disse que está pedindo à inspetora-geral do Departamento de Defesa que conduza uma investigação “sobre o papel dos civis do Departamento de Defesa e oficiais militares no ataque a manifestantes pacíficos na Casa Branca.”

Mas os republicanos, que controlam o Senado, ficaram em silêncio ou menosprezaram as preocupações com a resposta de Trump aos manifestantes. Alguns congressistas republicanos disseram que desejavam que ele ajustasse seu tom.

Os protestos continuaram nas cidades do país na noite de terça-feira, incluindo Minneapolis, Nova York, Los Angeles, São Francisco, Filadélfia, Atlanta, Las Vegas, Louisville e Denver.

Durante a noite, as ruas, de uma forma geral, estavam mais calmas do que os últimos dias, segundo a agência de notícias The Associated Press. Em Nova York, milhares de manifestantes saíram às ruas após o toque de recolher das 20h e houve relatos dispersos de saques. No entanto, as ruas estavam limpas na manhã de quarta-feira, enquanto a polícia continuava patrulhando.

A agencia de noticias estimou na manhã de quarta-feira que mais de 9 mil pessoas tenham sido presas em todo o país durante os distúrbios desde a morte de Floyd, em 25 de maio.

Havia também alguns sinais de que a intensa pressão pública para combater a brutalidade policial estava fazendo efeito. Em Minnesota, onde Floyd foi morto, o estado apresentou uma queixa de direitos humanos contra o Departamento de Polícia de Minneapolis, iniciando uma investigação sobre o envolvimento do departamento em racismo sistemático. O conselho escolar de Minneapolis votou na terça-feira a favor de uma resolução para cortar os laços com o departamento de polícia.

Embora a maior parte dos casos envolvendo brutalidade policial contra os manifestantes tenha ficado impune, vários policiais de Atlanta foram acusados ​​de agressão após retirar violentamente os estudantes de seu carro com uma arma de choque.

Em Los Angeles, o chefe de polícia Michel Moore enfrentou uma enxurrada de pedidos para que deixasse o cargo ou fosse demitido depois de afirmar, na segunda-feira, que a morte de Floyd "está tanto nas mãos de [saqueadores], quanto nas mãos dos policiais" que participaram de sua morte. Moore se desculpou mais tarde naquele dia, mas durante uma reunião online da Comissão de Polícia da cidade na terça-feira, mais de 500 pessoas se inscreveram na plataforma para compartilhar comentários públicos. Eles detalharam o uso agressivo de balas de gás lacrimogêneo e borracha da polícia de Los Angeles para atacar manifestantes pacíficos em toda a cidade.

"Você mostrou suas cores verdadeiras", disse David Spencer, uma das pessoas que convocou a reunião. "Estou com medo da polícia de Los Angeles agora."

Este post é parte do projeto Traduções LIVRES, que faz traduções livres de matérias e artigos produzidos originalmente em inglês por diversos veículos estrangeiros. Não existe nenhuma intenção comercial por trás da disponibilização desse conteúdo, apenas uma vontade de levar informação para quem não domina o idioma. Não possuímos nenhum direito sobre o conteúdo aqui disponibilizado, nem somos autorxs/produtorxs de nenhuma dessas matérias.

This post is part of the project Traduções LIVRES (free translations), that is currently translating materials and articles originally produced in English by several foreign journalists/writers and publish in different vehicles. There is no commercial intention behind making this content available, just a desire to bring information to those who do not speak the language. We are not the authors nor have the rights over the content provided here.

For any inquiries: hannahebron@gmail.com

2 visualizações
Envie seu pedido de TRADUÇÃO:

© 2023 Orgulhosamente criado com Wix.com