• Projeto Traduções LIVRES

Black Lives Matter: A carga emocional de se manifestar

"Estou cansada".

Link: https://www.thenewhumanitarian.org/opinion/2020/07/21/emotional-labour-black-lives-matter-humanitarian-NGOs

Veículo: Thenewhumanitarian.org

Data de publicação: 21/07/2020

Autorx: Cynthia Keza Birikundavyi

Título original: Black Lives Matter: The emotional toll of speaking up

‘I’m tired.’

Traduzido por/Translated by: Hannah Hebron

Estou cansada. Muitos de nós estão. Os eventos das últimas sete semanas nos forçaram a reviver e refletir sobre nossas próprias experiências com o racismo, enquanto carregamos nossos entes queridos e comunidades na mesma dor.


Esses sentimentos de exaustão e injustiça podem destruir a alma. Geralmente, quando revisito minhas próprias experiências, encontro conforto ao me concentrar no que a comunidade preta alcançou e em meus próprios sucessos e bênçãos. Desta vez, contar forros de prata não é reconfortante. Simplesmente não é suficiente.


A escala das manifestações mundiais motivadas pelo movimento Black Lives Matter é algo que nunca vi antes. As pessoas ao meu redor estão se tornando mais vocais, compartilhando seus esforços para se educar. Muitas de nossas instituições de ajuda pública também se posicionaram publicamente contra o racismo e relançaram conversas internas, a fim de fazer - e ser - melhor.


Mas estou exausta.


Experimentar o racismo é uma experiência violenta. É ter pessoas - estranhos e pessoas em quem você pode confiar - tentando tirar algo de você. Pode ser sua identidade, o resultado de anos de trabalho, seu orgulho, sua voz, seu poder, seu conforto, suas escolhas, sua segurança. Independentemente de você ter conseguido recuar ou ter que se conter, você está fervendo em algum nível de impotência. Não há desfecho, nem final feliz, nem justiça.


Quando o racismo acontece no local de trabalho, você não pode simplesmente ir embora. Eu pessoalmente escolho me fragmentar. Isso me permite funcionar, prosperar e garantir que meu trabalho, bem-estar e interações sociais não sejam definidos apenas pelas relações raciais ou pela minha experiência como mulher preta.


Então, quando me pedem para compartilhar minhas histórias, tenho que decidir se vou reabrir uma caixa cheia de momentos de injustiça, humilhação e ressentimento. Os sentimentos que eles provocam não são algo que se possa ligar e desligar ao apertar um botão. Um espaço realmente seguro para discutir o racismo incluiria a oportunidade de as pessoas darem um passo atrás depois de falarem, permitindo que se recuperassem do esforço emocionalmente desgastante.


Infelizmente, em um ambiente composto por prioridades concorrentes, esses processos não diminuiram sua velocidade por você. Se você decidir se envolver, talvez precise ficar em um espaço mental que pode ser doloroso e frustrante.


Falar como uma minoria no local de trabalho também significa ficar sozinho - ou quase - e reprimir um desejo humano e inato de pertencer a fim de criar um espaço onde colegas e amigos ficarão desconfortáveis.


E é preciso preparação, porque, na verdade, compartilhar sua experiência humana pode não ser suficiente. Você terá que explicar melhor, trazer exemplos concretos ou justificar por que as experiências compartilhadas estão inquestionavelmente enraizadas no racismo. Então, querendo expressar nossos pontos da maneira certa, muitos de nós vão acertar os livros e dissecar nossas experiências de vida para enquadrá-los dentro de uma estrutura social ou histórica. Para garantir que somos compreendidos, ouvidos e acreditados, tentaremos mostrar pedagogia, retrospectiva, talvez até moderação. Iremos a milha extra, em mais uma tentativa de ser visto e tratado como igual.


"A propósito, devo dizer, você tem um ótimo sotaque inglês!"


Não consigo nem contar o número de vezes que isso me foi dito pelos colegas brancos, seja no final de uma reunião ou ao aterrissar em um novo posto de serviço. Ironicamente, geralmente vem de um falante não nativo com sotaque forte. Também é acompanhado por um sorriso suave e um olhar de encorajamento. As primeiras vezes que isso aconteceu, eu sorri de volta, não disse nada. Agora, respondo: "Obrigado, o seu também não é ruim".


Por que isso importa? Porque leva à seguinte pergunta: Por que essa pessoa branca sente a necessidade de apreciar meu nível de competência? Por baixo do que pretendia ser um elogio, existe uma crença implícita de que: a) meu inglês com sotaque canadense é melhor do que o sotaque africano que eles esperavam que eu tivesse eb) eles estão em posição de julgar abertamente minha competência técnica, mesmo que eles mesmos não sejam especialistas.


Ambos os pontos são representativos de uma estrutura de poder que coloca maior valor e confiança no que é branco (e ocidental) nas organizações humanitárias. Começa com um sotaque, mas também permeia o valor da formação educacional e da experiência profissional. Às vezes, parece que "competência" é definida pela capacidade de alguém se encaixar em uma cultura de trabalho predominantemente branca e de traduzir visões, idéias e projetos para um público do Norte Global.


Não posso deixar de me perguntar: já que nossas instituições estão enraizadas em uma definição "branca" de sucesso, como nossos programas em todo o mundo podem fugir disso?


Em 2009, a autora Chimamanda Adichie alertou para o perigo de uma história única e unidimensional. No entanto, enquanto tentamos ser mais diversificados, nossas instituições e as pessoas que trabalham nelas ainda lutam com um viés de "história única" que impede uma partilha real de poder.


Acolher uma mistura de pessoas em uma estrutura institucional predefinida e esperar que elas se conformem não equivale a celebrar a diversidade. Precisamos quebrar nossas estruturas, reconhecer nossa necessidade um do outro e confiar que outras maneiras - maneiras que podem ser estrangeiras ou não intuitivas para as instituições ocidentais brancas - também podem nos levar a nossos objetivos comuns. É apenas com uma mudança real de percepções que podemos produzir um ambiente em que diversidade é uma palavra que inclui todos, e não apenas as minorias.


Esse tipo de mudança pode realmente ocorrer? Não sei - embora meu cinismo possa ser o resultado de um mês difícil.


No mínimo, precisamos reconhecer o custo que a retificação de experiências e o envolvimento em conversas ocorrem exatamente nas pessoas cujas situações devem ser corrigidas.


Mas, à medida que novos caminhos para a mudança institucional estiverem sendo criados, eu me farei presente. Farei o meu melhor para contribuir para a promoção de um ambiente em que a coesão organizacional seja alcançada não favorecendo uma à outra, mas permitindo que todas as vozes moldem verdadeiramente nossos sistemas institucionais humanitários.

Este post é parte do projeto Traduções LIVRES, que faz traduções livres de matérias e artigos produzidos originalmente em inglês por diversos veículos estrangeiros. Não existe nenhuma intenção comercial por trás da disponibilização desse conteúdo, apenas uma vontade de levar informação para quem não domina o idioma. Não possuímos nenhum direito sobre o conteúdo aqui disponibilizado, nem somos autorxs/produtorxs de nenhuma dessas matérias.

This post is part of the project Traduções LIVRES (free translations), that is currently translating materials and articles originally produced in English by several foreign journalists/writers and publish in different vehicles. There is no commercial intention behind making this content available, just a desire to bring information to those who do not speak the language. We are not the authors nor have the rights over the content provided here.

For any inquiries: hannahebron@gmail.com


9 visualizações
Envie seu pedido de TRADUÇÃO:

© 2023 Orgulhosamente criado com Wix.com